Os trabalhos desenvolvidos durante os projetos ‘Ler e Pensar’, ‘Agrinho’ e ‘Televisando’ nas escolas das localidades de São Sebastião e Terra Nova foram apresentados à comunidade na exposição Agrinova na manhã desta sexta-feira (4) pela manhã, no Clube 25 de Julho, no Terra Nova.

Com temas ligados à leitura, alimentação saudável, saúde, qualidade de vida e segurança, as atividades foram realizadas durante o primeiro semestre envolvendo inclusive a comunidade que participou de cursos promovidos por entidades parceiras dos projetos.

A professora Andrea Fittkaumaus resgatou com os alunos do primeiro ano do ensino fundamental, o costume de jogos e brincadeiras tradicionais como ‘perna de pau’, ‘carrinho de rolimã’, ‘cubo mágico’ e ‘pimbolim’, entre outras. Ela arrecadou brinquedos usados e distribuiu entra as turmas e também confeccionou diversos brinquedos com materiais recicláveis. “Hoje as crianças têm contato muito cedo com a tecnologia e quase não brincam com esse tipo de brinquedo. Foi uma experiência muito boa porque eles tiveram contato com brincadeiras que estavam esquecidas”, diz.

Jogos que estimulam o cérebro e fazem bem à saúde, aliados a exercícios físicos e alimentação saudável foi o viés do projeto da professora Andreia Aparecida Santos com os alunos do terceiro ano. Visita a supermercados, ao depósito de alimentos da merenda escolar do município e a chácaras que produzem hortaliças foram algumas das atividades realizadas. “Lançamos a semente e esperamos que venha a frutificar no futuro, mas é importante que eles aprendam desde cedo sobre qualidade de vida”, explica.

A professora Eliane Babi Lohse desenvolveu um trabalho de prevenção de acidentes de trabalho, de trânsito e também domésticos. Ela focou ainda na inclusão social com a possibilidade de que alunos com deficiência possam ser incluídos em atividades esportivas. “Entregamos uma carta ao secretário de esportes pedindo que os Jogos Escolares de Castro possam integrar também os alunos deficientes. Nas escolas municipais temos 112 crianças com alguma deficiência”, disse.

Após ler as notícias no jornal impresso e na versão digital, a professora Lia Marcia Ferreira da Silva trabalhou produção de texto com os alunos e a interpretação de imagens. Ela conta que muitas crianças nunca haviam tido contato com o jornal. “Foi uma oportunidade muito boa para que eles conhecessem mais sobre como funcionam as notícias”, diz.

Também trabalhando com a leitura, a professora Francisca Barth Quast desenvolveu o Pit Stop da Leitura para oferecer livros para a comunidade e a Kombi da Leitura, uma ‘biblioteca’ itinerante que percorre as comunidades da região.
Teve ainda um concurso gastronômico para escolher os melhores pratos de doces e salgados.

Para a diretora da Escola Municipal do Campo de Terra Nova, Elizabeth Barth, os projetos se complementaram e enriqueceram o conhecimento dos alunos. “Esse evento coroa todo o empenho e dedicação das nossas professoras que em parceria com a comunidade fizeram um belo trabalho”, disse.

A Superintendente de Educação Sueli Verdile Carneiro de Souza também destacou a participação dos moradores. “Muitos participaram de cursos, da gincana e do concurso gastrômico e isso mostra que há uma integração entre escola e comunidade”, finalizou.